sábado, 30 de abril de 2016

Após superação, Daniel Chicão relembra trajetória no MMA para estar na decisão do GP dos meio-pesados do X-Fight

Lutador de Divinópolis encara decisão contra Lucas Cisco e vencedor disputará o cinturão da categoria no próximo evento.

Foto: Reprodução Facebook

Com uma sequência de três vitórias consecutivas na carreira, Daniel Chicão chega embalado para  a decisão do GP dos meio-pesados (até 93kg) no X-Fight, no dia 13 de maio, em Matão, no interior de São Paulo. No décimo-terceiro evento da franquia, o mineiro de Divinópolis encara Lucas Rosa no embate final. O vencedor irá disputar o cinturão da organização no próximo evento. 

E para estar nessa situação, Daniel teve que conciliar o trabalho e ouvir reclamações de pacientes para não desistir do sonho de ser lutador de MMA. Formado no curso de fisioterapia em sua cidade natal, Divinópolis, em Minas Gerais, com especialização na área de esportes, Daniel tem uma exaustiva rotina de segunda a sábado para estar no auge.

O dia de Chicão começa às 6h, quando sai para atender clientes em seu consultório. Em cada brecha sem pacientes, Daniel faz seus treinamentos. Às vezes usa apenas cinco minutos de sua pausa para almoçar e se dedicar mais aos treinos. Ele só chega em casa por volta das 22h.Mas os treinos o atrapalharam em certo momento de seu segmento profissional. 
Principalmente na fase do camp entre seus combates, Daniel Chicão costumava chegar lesionado para trabalhar, na época que tinha o sonho de estar no vale tudo. A modalidade, antigamente, era vista com outros olhos, principalmente para os habitantes de Divinópolis.

“Queria lutar vale tudo, mas como era mau visto pela sociedade, meus pacientes não achavam interessantes, porque eu chegava lesionado para atender. Quando teve essa mudança comecei a me dedicar mais. Trabalho como fisioterapeuta. Começo às 6h e intercalo os treinos com o trabalho.”, revela.

Além das dificuldades com sua vida profissional, Daniel Chicão sabe da dificuldade de se desenvolver nas artes marciais na pequena cidade de Minas. Segundo ele, a falta de atletas e incentivos são prejudicais na evolução em alguns momentos.“Moro em uma cidade pequena. Trabalho com poucos atletas, não tem muita matéria humana para treinar, fica complicado. Mas trabalhamos com os poucos e bons atletas. Sempre que dá vou ao Rio fazer camp com o Mestre Tatá (líder da Tatá Fight Team)”, comenta.

Estar na luta principal do X Fight 12 para Chicão é um prêmio à sua dedicação. E o lutador de 30 anos enxerga o torneio como uma excelente vitrine no MMA.

“Espero chegar ao nível máximo no MMA. O X Fight é uma vitrine interessante. Creio que vai dar tudo certo e espero que aconteça o melhor. Venho de uma boa sequência. Tive momentos difíceis em conciliar faculdade, trabalho e família, mas cheguei aqui. Estou pronto para dar meu melhor no X Fight”, comemora.

 

Pezão e Struve fazem o duelo da superação no UFC Fight Night 87

Tanto o brasileiro quanto o holandês superaram graves problemas de saúde para dar continuidade em suas carreiras como lutadores.

Foto: Divulgação

Escalado para ser uma das principais estrelas do UFC Fight Night 87, marcado para o próximo dia 8 de maio, em Roterdã, na Holanda, o brasileiro Antônio Pezão vai em busca da 20ª vitória no MMA profissional contra o anfitrião Stefan Struve. Querendo reabilitar-se da derrota sofrida para Mark Hunt, em novembro do ano passado, o Gigante da Paraíba tem uma boa oportunidade para mostrar que ainda está na ponta dos cascos. Com muito mais "cancha" em relação ao holandês, o Bigfoot, como ficou conhecido nos Estados Unidos, aposta em sua experiência e nos árduos treinamentos na American Top Team para alcançar mais um resultado positivo.

Adversários no mês de maio, Pezão e Struve possuem semelhanças em suas trajetórias. Ambos tiveram que superar problemas de saúde para seguir lutando, Enquanto o brasiliense teve de interromper seus passos para tratar de uma acromegalia, conhecida também como gigantismo - doença rara que afeta a glândula pituitária no cérebro ainda na infância, fazendo que o indivíduo cresça exageradamente -, o europeu viu sua carreira estagnar por conta de graves problemas cardíacos.

“Tivemos alguns problemas de saúde, como todos sabem, mas estamos aqui para provar que o MMA é um esporte de superação diária. Sempre me espelhei muito no Rodrigo Minotauro, que passou por muitos obstáculos desde a infância e se tornou um dos maiores esportistas brasileiros. Graças a Deus já ultrapassamos essas pedras no meio caminho e estamos prontos para dar um verdadeiro show para o público holandês. De minha parte, pretendo fazer uma luta inesquecível e provar para todos que ainda tenho condições de brigar pelos lugares mais altos da minha divisão”, comentou.

Acostumado a encarar complicados desafios ao longo de sua trajetória profissional, Pezão não se esquiva quando o assunto passa por Andrei Arlovski e Alistair Overeem, que farão a luta principal do UFC Fight Night 87. Mesmo garantindo foco total no próximo combate, ele não descarta reencontrar estes dois lutadores em um futuro próximo.

“Nunca escolhi oponentes durante a minha carreira. Já venci e perdi de lutadores muito conceituados. Nesse momento estou totalmente compenetrado neste duelo contra o Struve, mas caso o UFC ache interessante tenho interesse de lutar novamente contra o Arlovski e o Overeem. Não tenho nada pessoal contra nenhum dos dois, mas quero sempre me colocar entre os melhores do meu peso. Não descarto essa possibilidade, mas volto a dizer que meu principal foco neste momento está no dia 8 de maio. A partir dali, muitas coisas irão ser decididas”.

Na reta final de preparação para o embate, Antônio Silva diz ter estudado bastante as características do Gigante Holandês e garante ter uma carta na manga para os dias que antecedem o grande duelo. Amigo próximo de Rodrigo Minotauro, que fez sua luta de despedida contra Stefan Struve, em agosto do ano passado, Pezão deseja ouvir alguns conselhos do "padrinho" antes do evento

 “Ainda não tive a chance de conversar com o Rodrigo (Minotauro), mas, com certeza, vai ser algo muito válido. Apesar disso, estou treinando com o Antônio Branjão que havia o ajudado no ano passado, então, por tabela, já estou pegando algumas dicas e macetes. Além disso, tive a oportunidade de assistir esta luta muitas vezes e observar o que devo fazer para sair vencedor de dentro do octógono”.

 

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Esse tava com vontade de vencer hein!?

 

Aspera FC e Imortal FC fecham parceria internacional com Pancrase

GP a ser realizado em uma noite garantirá contrato com organização japonesa ao campeão; "Road to Pancrase: Brazil" terá primeira edição em 16 de julho com pesos-mosca.

Cartaz da parceria Pancrase, Aspera FC e Imortal FC / Foto: Divulgação

Considerado pelo site norte-americano ScoreCard o principal evento de MMA do Brasil e o 17º no mundo, o Aspera FC fechou uma aliança importantíssima para sua expansão internacional. Em parceria com a franquia paranaense Imortal FC, será realizado o evento "Road to Pancrase: Brazil", um GP peso-mosca (até 56,7kg) de quatro atletas, cujo campeão terá de lutar duas vezes na mesma noite e garantirá um contrato de múltiplas lutas com o Pancrase, tradicional organização japonesa, uma das dez maiores do planeta.

A parceria, negociada pela TakeOver Spors Agency, terá início dia 16 de julho, no Aspera FC 43, na cidade de Paranaguá, no Paraná. Os nomes dos participantes serão revelados em breve. Para o presidente do Aspera FC, Marcelo Brigadeiro, é uma oportunidade única para os lutadores.

"O Aspera já é conhecido por colocar em ação os melhores lutadores brasileiros da atualidade e acreditamos que seja isso o que o Pancrase busca também. Por ser a maior organização japonesa, o Pancrase está sempre interessado nos melhores lutadores do mundo, e é natural ao falar dos principais nomes do Brasil você falar do Aspera", ressalta Brigadeiro.

"Para nós, é muito importante dar oportunidades ao maior número possível de lutadores alcançarem seus sonhos", complementa o CEO do Imortal FC, Stefano Sartori. "Quando soubemos da oportunidade de fechar essa parceria com o Pancrase, uma organização muito conhecida e respeitada, sabíamos que era o caminho certo. Estamos prontos para ver os principais prospectos e veteranos do Brasil competindo e brilhando no Japão, tornando-se ídolos lá como são aqui no nosso país".

Pelo Pancrase já passaram nomes como Josh Barnett, Jose Aldo, Riki Fukuda, Bas Rutten, Ken Shamrock, Chael Sonnen, Carlos Condit, entre muitos outros notáveis. O CEO do evento, Masakazu Sakai, aponta a parceria com o Aspera FC e com o Imortal FC um fundamental movimento de expansão internacional para a marca.

"Estou muito feliz em dar as boas-vindas ao Aspera FC e ao Imortal FC como parceiros oficiais do Pancrase. Tenho assistido a esses dois eventos por algum tempo e sei que são os melhores do Brasil quando se fala em produção de talentos. Espero que ídolos brasileiros surjam a partir desta parceria", exalta Sakai. 

"O Pancrase já realizou eventos internacionais no Havaí e estamos planejando outros shows no Brasil, Las Vegas, México, Rússia, entre outros. Queremos mostrar e promover lutadores talentosos de forma global através de nossa parceria com o UFC Fight Pass Live", completa.

Antes do "Road to Pancrase: Brazil", o Aspera FC terá cinco eventos. O primeiro deles acontece na próxima quarta-feira, dia 4 de maio, no Peru, com Leandro "Gordo" Rangel de volta ao MMA após quase cinco anos para enfrentar Jackson Mora na luta principal. Mora é, curiosamente, o último adversário contra quem Gordo lutou.

 

Primeira edição do Torres Fight é sucesso total na cidade de Torres (RS)

Espaço destinado as artes marciais foi um dos mais visitados durante o 28° Festival Internacional de Balonismo, que reuniu cerca de 500 mil pessoas.

Foto: Divulgação

A primeira edição do Torres Fight, realizada durante o 28° Festival Internacional de Balonismo, entre os dias 20 e 24 de abril, na cidade de Torres, no Rio Grande do Sul, foi um grande sucesso, tanto esportivo quanto de público. O espaço de lutas e fitness, organizado pelos empreendedores Fernando Boita e Júlio Fernandes, foi uma das principais atrações do Festival, que neste ano reuniu cerca de 500 mil pessoas em seus quatro dias de atividades.

Com uma programação diferenciada, o Torres Fight teve como principais atrações palestras de fisiculturismo, apresentações de projetos sociais, seminários de MMA e um grande evento de artes marciais, que promoveu lutas de submission, Muay Thai e MMA, com destaque para a vitória de Giovani Costa (Boxer MMA) por finalização sobre Davi Lacerda (Black Team) no combate principal da noite.

O evento também teve a presença do campeão meio-pesado (93kg) do Jungle Fight, Dirlei “Mão de Pedra”. Dirlei, que é um dos principais atletas de MMA em atividade no Brasil, elogiou a qualidade dos duelos e comentou sobre sua participação no filme “Mais Forte que o Mundo - A História de José Aldo”, que retrata a vida do ex-campeão peso-pena do UFC.

“O Fernando Boita e o Júlio Fernandes estão de parabéns, o evento foi excelente, com muitos combates de ótima qualidade técnica. Tenho certeza que daqui sairão vários nomes que irão estourar no cenário nacional de lutas muito em breve. Participar do filme sobre a vida do José Aldo foi uma experiência muito legal na minha vida. O trailer já foi de arrepiar, não vejo a hora da estreia”, disse Mão de Pedra.

 

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Combatendo o bullying - Estilo Street Fighter


Via: Duelol's

 

Felipe Silva substitui Deninho 3 Dedos e disputa cinturão no 1º Round Combat

Foto: Divulgação

Mudança no card principal da segunda edição do 1º Round Combat, que será realizada em Natal, no dia 6 de maio. Deninho "3 Dedos" não irá mais enfrentar Tarciano Pintinho na disputa do cinturão dos pesos-mosca. Ele será substituído por Felipe Silva, da academia Pitbull Brothers. Felipinho vem de vitória por decisão unânime dos juizes em duelo contra André Chapolin, no Natal Fight Championship 10, em abril.

“Felipinho é um grande atleta, é da casa, está pronto para lutar e fará um grande combate com o Pintinho”, destacou Bruno Cortez, um dos organizadores do evento. 

Aos 26 anos, Felipinho não titubeou ao aceitar o convite do 1º Round Combat. Afirmou que teve o apoio de toda a equipe da Pitbull Brothers, onde treina com os irmãos Patrício e Patricky, do Bellator, Leandro Higo, campeão do RFA, e outros atletas que estão buscando espaço no cenário do MMA. 

“Já vi algumas lutas do meu adversário. É um cara muito bom, duro, mas estou muito bem preparado. Estamos em um treinamento focado só para essa luta, e eu tenho certeza que esse cinturão vai ficar aqui em Natal”, contou o lutador, que mora na zona Norte de Natal, bem próximo ao ginásio Nélio Dias, palco do evento. “Conto com a torcida de todos que acompanham o meu trabalho”, completou.

Com 13 anos dedicados ao jiu-jitsu, Felipinho tem um cartel de seis vitórias e duas derrotas, e vem de uma sequência invicta há quatro lutas.

“Minha especialidade realmente é o jiu-jitsu, no qual sou faixa marrom, mas venho buscando evoluir sempre no boxe, no muay thai e vou pra porrada. Vou para a trocação. O jiu-jitsu é consequência da luta. A academia toda está confiante nesta minha luta. Venho de quatro vitórias consecutivas. Apenas essa contra o Chapolin que foi por pontos. As outras três foram por finalização”, concluiu.

A luta principal do 1º Round Combat vai reunir o paulista Fábio Maldonado, ex-UFC, e o potiguar Felipão Dantas, ex-participante do TUF Brasil 3. Esta disputa vale o cinturão dos meio-pesados. Outro confronto que chama atenção é entre o potiguar Ciro Bad Boy e o baiano Edilberto Crocotá. Os dois lutadores vêm se provocando pelas redes sociais desde o lançamento do evento. Também tem disputa de cinturão no feminino, entre Juliana Velasquez e Elaine Albuquerque, até 61 kg. No total, a noite terá 13 lutas.